Portadores de Boas Notícias

Por que Tiquicom?

 

Tíquico foi a pessoa encarregada por Paulo de levar as cartas redigidas pelo apóstolo às igrejas implantadas por ele no início do cristianismo. Essa comunicação acabou formando cerca de 70% do Novo Testamento. Poucos conhecem Tíquico, mas muitos conhecem Paulo e o conteúdo das epístolas. Ha quem defenda que essa comunicação foi  a base da transformação do mundo no que ele é hoje. É inegável o fato de que a figura de Paulo, sua história, suas atitudes e suas palávras foram os responsáveis por isto, mas se Tíquico não tivesse cumprido sua função provavelmente nada teria acontecido. É com este espírito que nasceu a TíquicoM Comunicações. Queremos apresentar sua empresa, contar sua história, mostrar seus produtos, explicar seus serviços. Estas serão nossas boas notícias. Nosso objetivo é que sua marca seja conhecida e que possa causar transformações. 

Ao enviar Tíquico para suas missões, Paulo normalmente informava os receptores das cartas dizendo que Tíquico era um fiel servo. É isto que nos propomos a ser: Fiéis servos dos nossos clientes. 

 

Experiência e Resultados

 

A TiquicoM Comunicações foi fundada pelo jornalista Ademir Morata, que tem 20 anos de experiência na rotina jornalística. Em assessoria de imprensa gerenciou contas de grandes marcas principalmente nos setores de finanças,  tecnologia e negócios como:

 

Losango (financeira), ABECS (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços), Camara-e.net (Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico), Movimento Internet Segura (MIS), Lemon Bank, (banco com atuação exclusiva no segmento de correspondente bancário) Planetaimóvel (maior portal imobiliário da América Latina), Partner (consultoria especializada em serviços financeiros ao consumidor),  Patagon (corretora on-line do mercado de ações), Conductor  Processadora de cartões private label), ACI Worldwide (líder mundial em processamento de pagamentos eletrônicos), MCash (plataforma universal que permite o uso de telefones celulares para autenticar informações, efetuar compras e pagamentos em qualquer tipo de estabelecimento comercial), Softway (Telemarketing), Ingersoll-Rand (maior fabricante mundial de compressores de ar para uso industrial), Imerys, uma das maiores produtoras mundiais de pigmentos brancos para os segmentos de papel, tintas e higiene pessoal), VeriFone, líder mundial em soluções de pagamentos eletrônicos.

 

Criador de prêmio  de Jornalismo 

 

Atuando pela agência ML&A Comunicações, Ademir  coordenou a criação do Prêmio Internet Segura de Jornalismo, uma estratégia usada pelo Movimento Internet Segura (MIS), comitê da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net) para estimular a imprensa a aprofundar a cobertura jornalística sobre fraudes no comércio eletrônico.

 

A premiação foi lançada em 2008 e chegou a contar com a participação de 60 jornalistas que apresentaram 84 matérias.

 

Repórter  e Redator

 

Repórter da Segunda e da Terceira Edição do Anuário Brasileiro de Canais de Pagamento e Cartões, da Décima Primeira Edição do Anuário Brasileiro de Bancos e do Anuário Brasileiro de Cobrança. 

 

Redator da newsletter semanal Relatório Bancário, que trata das principais notícias de finanças e tecnologia  no país.

 

Autor de  livro - 

 

Além do jornalismo e da assessoria de imprensa Ademir também possui experiência literária com o lançamento do livro : “Conspiração Soberba: A História por trás das tragédias de 50,82, 98 e 2006”.

 

Partindo do fato confessado pelos argentinos de que uma água envenenada teria sido distribuída pelos próprios integrantes da seleção portenha aos jogadores brasileiros na Copa de 90, ele desenvolvou uma trama que explicaria as derrotas da seleção brasileira em Copas nas quais ela era favorita.

 

Episódios como a falha do goleiro Barbosa no Maracanã em 50, o passe errado de Toninho Cerezo, em 1982, a famosa convulsão de Ronaldo em 98 e o ‘apagão’ do chamado Quadrado Mágico em 2006 teriam a mesma origem. Uma conspiração internacional que mistura desde neonazismo até a pura e simples corrupção financeira.